quarta-feira, 23 de novembro de 2011

hérnia de umbigo

Comments
não sei se é o meio-dia, o meio-fio ou o fio da meada.
já não posso fiarme em diapositivas.
uma visão positiva por hora serve e logo me escapa.
me sinto só, como(,) jamais servido.

para que o banquete sem o entre talheres?
entreolhamse os que à mesa jantam,
vejo a mim mesmo e sequer me enxergo.
adeus esteves. ai essa hérnia de umbigo.....

inflamada do que já não sou,
e do que nunca serei, inflada.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

o verbo relativizado

Comments
o tempo,
foi pro espaço.
o espaço,

sábado, 20 de agosto de 2011

私のお金はどこにある、くそ? - volto a escrever por aqui

Comments
Ele acordou com asía e não sabia muito bem se era a Asia aquilo que aos poucos se desembaçava aos seus olhos na janela de defronte.

Pensou nos dias que foram e no hoje que tarde já lhe derrubava da cama. Lembrou-se do sol, dos anos. Do calor, que com o seu atroce fritar de nervos cutâneos progressivamente contamina o cérebro com uma impaciência sem precedentes (agosto parecia não ter fim, e ele sempre foi dramático ao hiperbolizar).

-Oba! É mais um dia que começa!
Disse em auto-sarcasmo desesperado.

Descobre, então, que ao seu lado acabara de acordar àquela puta da esquina do tailandês de não longe. Os segundos seguintes se reservaram ao tropeço retrospecto a fim de descobrir se havia -ou não- usado camisinha horas atrás. Prontamente desiste desse raciocínio antes que, se não bastara esquecidamente senil se descobrira também aidético.

- Watashi no okane wa doko ni, kuso?
Disse aquela-que-ele-não-sabia-o-nome, com a maior cara de cú, o que ele poderia (em bom baianês) ter dito com cerca de quatro palavras. De fato, teve que pagar o dobro por comer o seu cú, fenômeno que até última instância gerou discussão acerca do estado ontologico da possivel estafa a que ele acusava à vadia.

Constrangido, pagou 5000 yenis (1500 mais do que devia) ao ser intimado com a camisinha melada de bosta que ela lhe trouxe do banheiro à varanda em quanto ele gozava do primeiro cigarro sob o fim-de-tarde de uma Tokyo magenta. Sequer havia gozado, ao menos não na camisinha. Preferiu esquecer, antes bosta do que nada, pensou. E antes uma rapidinha do que troco, logrou a sua lógica ao fazer valer
-huh!
o valor
-huh!
agregado à vergonha
-aaaaah...

Contemplou a japonesa ir-se em quanto se lembrava da asía que assomava-lhe, quando exclamou:
-Malditas Chang hedónicas!
A essa altura já tinha certeza de que colocavam algum entorpecente químico 'gastro-intefatal' nessas cervejas. Químico aparentemente aditivo, uma vez que mesmo assim, e talvez por isso mesmo, era incapaz de não bebê-la a cada despretensiosa visita ao tailandês este, cada vez mais frequentes.

Pensava nos amigos, nos domingos, lembrou-se do Faustão e vomitou morosidade. Demasiava-se em sufoco ao cabo do sol que se punha. Refluxo dos seus sonhos, os dias duram já o infinito e cada vez um tanto mais. Os anos, não obstante, se expremem em 24 horas e cada vez menos.

O fim-dos-tempos é o tempo que leva o sol em se pôr, cada vez mais estático, cada vez mais patético.
Como um cigarro ao que se traga, mas que já pouco queima.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

-shhh...

3 comentários
Quando o silêncio chega, eu chego me calo,
Rasgado e usurpado,
Deito para a realidade.
O mundo distorcido através de uma lágrima.

As marcas de uma violência serena,
O vento entrando pela janela,
Os meus sonhos dissolvidos, escorridos,
Encharcados no lençol.

O silêncio me estuprou e eu sequer ouvi.